Uma empresa é, normalmente, uma sociedade de pessoas e de capitais. É de pessoas, porque duas ou mais pessoas se unem em sociedade para a exploração de uma determinada atividade. É de capitais, porque não são apenas as pessoas que se juntam, mas, também, seus recursos financeiros (capitais) que, unidos em sociedade, passam a constituir uma nova pessoa, ganhando inclusive personalidade jurídica.

O diferencial é que “essa pessoa jurídica” não possui pernas, braços e nem cérebro. Ela precisa da “cabeça” de outras pessoas para se conduzir no mundo dos negócios. Daí surge a necessidade da administração da empresa.

A administração é citada no livro “Como Formar o Preço de Venda” de Jovi Barboza e Genival Ferreira (Editora Flamar, 2002) como uma instituição dentro da empresa, cuja finalidade é dar mobilidade, fazer com que a empresa se mova, ande, caminhe. É, enfim, a administração que se faz braços, pernas e cérebro da pessoa jurídica.

Se a administração for bem feita, a empresa crescerá, gerará lucros e cumprirá sua função. Se não for, adoecerá, como qualquer pessoa, e poderá até “morrer”.

A doença da empresa pode estar nas finanças, na economia, no patrimônio da empresa, quebrando seu equilíbrio e levando os sócios a perderem o que investiram.

Para que tudo dê certo, ou quase certo, numa empresa, é necessário que se faça uma administração boa e correta, adequada ao tipo e ao momento da empresa e às condições de mercado em que ela se encontra.

Em qualquer tipo de negócio, grande ou pequeno, a necessidade administrativa é a mesma: planejar, organizar, coordenar, comandar e controlar.

Os grandes mestres da Administração de Empresas, como Peter Drucker, por exemplo, difundiram essa expressão ao longo de muitos anos para determinar o modelo ideal de comportamento do empresário.

Planejamento, organização, coordenação, comando e controle: receita para a perfeita administração. Aplicando, dá certo.

Cinco segredos para o sucesso empresarial
A boa administração é aquela que possibilita ao grupo alcançar seus objetivos com o mínimo dispêndio de recursos e de esforço, envolvendo várias etapas importantes:

• Planejar é a ação onde estabelecemos as estratégias que iremos adotar para atingir os objetivos.

• Organizar é deixar claro como será feito, quem irá fazer, o que, quando, onde e porque.

• Coordenar é harmonizar os esforços de um grupo de pessoas.

• Comandar é fazer cumprir as ordens estabelecidas.

• Controlar é medir e avaliar se os resultados obtidos estão dentro dos objetivos previstos.