Uma empresa com dois sócios em que um acabou falecendo, como será feita a distribuição do lucro?
IN CASU: a empresa gerou um lucro de R$ 2.000,00 ,sendo R$ 1.000,00 para cada sócio, no caso do falecido, poderá receber o filho
ou esposa dele terá direito a esse valor?   Terei que fazer alteração no contrato social?

Tudo vai depender do Contrato Social e da época em que os lucros foram apurados.

Se os lucros a serem distribuídos referem-se ao período em que o sócio contribuiu para o ganho, é indubitável que seus herdeiros têm o direito e disto se beneficiem, mesmo porque deverão constar do espólio juntamente com as quotas de capital e demais bens de direito levantados em Balanço.

Há entendimentos que julgam imprópria a distribuição de lucros ao sócio falecido, ausente ou impedido após a ocorrência da morte, ausência ou impedimento (prisão) deste, uma vez que não contribuiu para a efetivação do ganho.

Em face disto, a primeira providência a ser tomada será o levantamento de um Balanço Patrimonial com a respectiva Demonstração de Resultados na data do falecimento do sócio para que se determine (se for o caso) a parte que a ele cabia e que deva constar do espólio (bens inventariados) e futuro Formal de Partilha.

Observe se no Contrato Social se há cláusula com a previsão de atitudes para o caso de falecimento, desaparecimento ou impedimento definitivo (prisão) de sócios. Há casos em que há a previsão da dissolução da sociedade e outros que dão o privilégio da continuidade a seus herdeiros ou sucessores.

Havendo cláusula contemplativa quanto ao privilégio a ser dado (no tocante a continuidade da sociedade) aos herdeiros do sócio falecido, esta deve ser cumprida caso estes assim preferirem, ou seja, faça a alteração contratual com a saída do sócio e entrada do herdeiro com a aquisição das quotas por herança.

Não havendo clausula de privilégios, você pode simplesmente “devolver” a parte que caberia ao sócio falecido (dinheiro e ou bens) em parcelas (se houver previsão contratual) ou a vista se assim exigirem os herdeiros e conseguir outro sócio para dar continuidade aos objetivos sociais da empresa.

Por outro lado, nada havendo no Contrato Social que contemple a situação, vocês têm o Fôro da Comarca da sede da empresa para dirimir dúvidas e devem (se for o caso) buscar orientações com advogados,  note-se que é sempre bom fazer tudo amigávelmente, desde que dentro da Lei.

O ideal é que com base no Balanço com data do falecimento, (e de comum acordo) o sócio remanescente e os herdeiros resolvam tudo de maneira que atenda aos interesses dos envolvidos.